Ó PESSOAL...

...Visitem-se uns aos outros...cliquem nos cartões e conheçam os outros sócios.
Não deixem também de ver as publicações anteriores. Há sempre coisas interessantes que por vezes nos passam ao lado...

LEIAM E ENTENDAM!

Pedido de ajuda - Casa de Santa Isabel

A Quinta do Formigo em São Romão, um local de grande harmonia natural, onde se encontra a Casa de Santa Isabel (uma comunidade terapêutica para crianças, adolescentes e adultos com necessidades especiais) está neste momento a correr o risco de desaparecer. Isto porque as Estradas de Portugal e a Câmara Municipal de Seia pretendem criar um troço de ligação entre Seia e a Serra da Estrela que separará as diversas residenciais da Casa de Santa Isabel, além de acabar com o belo espaço que a natureza dá naquele local.
Assim, venho por este meio pedir-vos que assinem a petição contra esta obra, para o bem das pessoas da Casa de Santa Isabel e do povo de São Romão. Para isso basta acederem ao seguinte site:
http://www.petitiononline.com/formigo/petition.html,
http://www.casa-santa-isabel.org/

Obrigado
Metamorfosesvividas.blogspot

sexta-feira, 10 de abril de 2009

José Saramago - Ensaio sobre a Cegueira

O Ensaio sobre a Cegueira… Como encontrar as palavras certas para descrever, ainda que sucintamente, esta obra? È de facto uma tarefa complicada perante uma genialidade literária como esta.Posso, sem sombra de dúvida dizer-vos que este foi o livro mais marcante que já li até hoje.Que adjectivação usar para a conseguir caracterizar, sabendo de antemão que todos os adjectivos lhe assentam? … Esta é efectivamente uma obra Inquietante, cruel, desconcertante, horripilante, triste, feliz e, parando desde já com a infindável adjectivação que a poderá caracterizar, contém uma escrita raivosa que nos transcende.O autor, na sua concepção, não utiliza referências temporais, nada nos permite dizer seguramente em que momento é que aquele mundo se insere – pode muito bem ser este o momento – O mesmo podemos dizer em relação ao espaço, apenas sabemos que a acção se desenrola numa qualquer cidade – podendo muito bem ser a nossa cidade -.A ausência propositada das referências tempo, espaço, sem esquecer a supressão das próprias identidades das personagens, possui uma associação intrínseca à própria cegueira que se espalha. Os indecorosos instintos demonstrados neste romance pós-moderno, os quais fazem eclodir a revolta do leitor, extrapolam o nosso conhecido “mundo civilizado”, existe aqui um confronto dos magistrais princípios da civilidade que conhecemos, retratando o colapso da sociedade num palco de atrocidades sem fim. É fenomenal esta narrativa intensa onde quase não são usados parágrafos e cujas virgulas usadas pelo autor são com o intuito de suavizar a história e nos permitir, a nós leitores, um muito ligeiro descanso aos horrores do enredo que compõem esta fábula assustadora.Que mais dizer? Lê-lo é indubitavelmente uma experiência única.
Não tendo eu a intenção de pressagiar o que quer que seja, mas mesmo assim caindo nesse erro, não estaremos nós, sociedade deste mundo moderno, a atravessar um período de uma epidémica cegueira branca? … Não estará, por exemplo, esta alegoria correlacionada com a crise económica que atravessamos e cujo início se deu naquele país, carregado de estoicismos prosaicos onde a lei vivida é a do dólar? Sim, aqueles mesmos, os que se auto-denominam Senhores do Mundo...
"Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara"